ADQUIRA MINHAS APOSTILAS

17/10/2009

Porque você escolheu trabalhar em casa?




Por que você escolheu trabalhar em casa? Por necessidade ou por que quer ser seu próprio patrão? Há vários motivos pelos quais as pessoas escolhem trabalhar em casa. Eu, por exemplo, como já citei no meu perfil (ao lado) "precisei" fazer esta opção, e que é o mesmo que muitas mulheres fazem: não temos com quem deixar nossos filhos e precisamos entrar com algum recurso financeiro para ajudar no sustento do lar. No meu caso, também, me decepcionei com alguns "chefes" que nunca valorizaram meu trabalho, me enchiam de promessas e ficavam só nisso. Também é meu caso, como de outros, temos bastante experiência, mas os empregadores preferem contratar alguém mais novo e menos experiente para pagar um salário menor. A conclusão que tiro disso é que preferem alguém menos experiente para que possam treiná-lo da maneira deles, embora muitas vezes acabem saindo no prejuízo, pois fazem assim e a pessoa não rende. E tem também uma coisa que mexe até com a nossa auto estima: a idade. Esse povo pensa que se você tem mais de 40 anos, você já não aguenta mais nada e não rende também. É impressionante o número de pessoas nessa faixa que estão por aí quase que "mendigando" um trabalhinho. Aí acontece o que? O jeito é fazer esta escolha: nosso ganha pão vai ter que sair de casa mesmo, e por isso essa "montoeira" de gente trabalhando na informalidade mesmo, porque não nos dão o devido valor. Eu moro na região metropolitana de Belo Horizonte (em Santa Luzia) e minha cidade não tem um comércio bom, por isso preciso ir de vez em quando na capital fazer umas compras, inclusive para meus artesanatos, e ontem, tive que ir lá mais uma vez. Pela janela do ônibus, eu ia observando os trabalhadores lá fora. E para cada um que estava trabalhando ali, na informalidade, (e muitos, com certeza, tiveram que começar em casa, aquele trabalho que estavam fazendo ali na rua) debaixo do sol causticante (quando não é debaixo de chuva) eu pedia a Deus que os abençoasse, pois eu queria ter a mesma coragem que muitos ali tem, de sair do conforto do meu lar e sair para as ruas. O ônibus parou num ponto e eu observei, e ainda comentei e mostrei para meu filho um senhor no cantinho do ponto: "Olha só como o cara deu um jeitinho de sobreviver: Pegou a bicicleta velha, amarrou uma caixa de isopor na garupa, encheu de salgados e levou uma garrafinha de café, guardanapos e copos descartáveis do ladinho, e parou ali. Naquele momento, alguém estava comprando dele. Aquele homem aparentava mais de 40 anos. Na mesma hora, falei que ia colocar aqui no blog, porque eu admiro esse povo que leva prás ruas aquilo que ainda de madrugada começou a preparar em casa. Eu até me emociono ao falar disso, amigos, porque eu sei que não é fácil colocar comida dentro de casa. Só quem já passou por essa dificuldade é que consegue entender do que eu estou falando. Mas, eu creio também que precisamos aprender com estes momentos difíceis e não "deixar a peteca cair". Esse povo que vai trabalhar na rua, é um povo forte, pois muitas vezes eles nem tem como começar, mas se enchem de coragem e vão. Hoje eu quero deixar aqui um abraço de consideração para cada um de nós que tivemos que escolher trabalhar em casa por não termos conseguido um lugar numa boa empresa, por ter sido excluído pela idade, por ter que criar os filhos sozinha (ou sozinho), por ter que acordar de madrugada (ou por ter dormido tarde preparando o ganha pão do novo dia) e até pela falta de experiência e ter sido recusado por isso, pois alguns jovens ou mulheres que nunca precisaram trabalhar fora estão incluídos aqui. Queria que meu abraço representasse agora para você, a força que só pode vir de Deus, que com certeza vê nosso esforço, e como eu sempre falei: "Não desista, você vale ouro". Deus abençoe o seu dia.

Reações:

2 comentários:

Anônimo disse...

Querida, amei o seu blog, vc é inspiradora...Obrigada pela generosidade em compartilhar conosco...

Um Grande Abraço!!!

Carpe Diem!!!!

Ana Claudia
anjo_negro72@hotmail.com

aline disse...

Minha querida, ameeeeeeei o seu blog,é tudo que eu procurava, e como disse a amiga acima vc é muito generosa. Sabe sou de Lagoa Santa pertinho de vc...e também vivo inventando algo para ajudar nas despesas, esse pot acima chegou a me emocionar de tão lindo e reflete exatamente o que penso dessas pessoas batalhadoras que às vzs saem de casa ainda de madrugada para vender um cafezinho num ponto de onibus. PARABENS A TODOS ESSES E A VC MUITO OBRIGADO PELAS DICAS!!
Tania email: potencialhidraulico@gmail.com

Últimos Comentários

Deixe o seu recado



Mudanças no meu perfil empreendedor

Meu blog foi criado em 2009, sendo que na época eu estava desempregada. A partir daí várias coisas ocorreram durante este período de modo que precisei alterar o meu perfil, como a minha idade e as ocupações que tive (trabalhos). Para tanto, deixo aqui registrado estas mudanças.

Em 2009 - 47 anos - Fui babá de duas meninas, cuidando delas em minha casa enquanto as mães trabalhavam.

Em 2010 - 48 anos - Continuei sendo babá de uma das meninas que cuidava antes, novamente em casa e no período em que ela ficava na escola eu trabalhava como Monitora de Crianças de 1 a 2 anos na Creche Filhos do Rei.

Final de 2010 para 2011 - Abri as portas do meu brechó na minha casa. Antes vendia dentro de casa mesmo.

Em 2011 - 49 anos - Brechó fechado para reforma da casa. Fui trabalhar numa pizzaria, à noite, como diarista e, aos 49 anos, consegui trabalhar de "Carteira Assinada" depois de seis anos sem registro. Trabalhei de abril/2011 a Jan/2012.

Início de 2012 - 50 anos - Saí do emprego por motivo de saúde ( a idade começou a pesar me causando muito inchaço nas pernas pelo fato de trabalhar mais de 8 horas em pé).

Maio de 2012 - Voltei novamente a trabalhar por conta própria com meu brechó, meus geladinhos, artesanatos e outras coisitas mais.

Junho de 2012 - Trabalho com meu brechó e sou babá de duas crianças na minha casa. Temos uma renda bem menor agora, pois meus filhos perderam a pensão do pai, mesmo eles sendo estudantes, sendo o mais novo universitário.

Julho de 2012 - Só trabalho com o Brechó agora. Não deu para conciliar brechó e ser babá ao mesmo tempo.

Agosto de 2012 - Me tornei Microempreendedora Individual. Agora, além do Brechó, continuo com os geladinhos e também produzo cupcakes.

Fevereiro de 2013 - 51 anos e agora, o quadro aqui em casa está quase se invertendo. A maior parte do sustento fica com meu filho mais velho, e o mais novo trabalha apenas para pagar a sua faculdade. A minha renda é apenas para complementar a do meu filho.

Setembro de 2013 - Meu filho mais novo está desempregado e trancou a matrícula na faculdade. O mais velho teve que deixar o emprego para ser estagiário de outro curso recebendo apenas 1/2 salário mínimo. Continuo com o brechó, atendendo de portas fechadas pois trabalho também com meus sorvetes, geladinhos, cupcakes e chocolates. Além disso dou cursos de fabricação de sorvete apostilados, pela internet (ensino à distância) Não dou conta de tudo se estiver com a loja aberta. Então, trabalho dentro de casa. Menos renda aqui em casa agora.

Novembro de 2013 - Meu filho mais novo agora trabalha com o pai na área de sorvetes. O mais velho conseguiu um outro emprego com efeito de estágio para o curso dele e passou a ganhar mais. E eu agora, além de tudo que faço também sou Consultora Independente Mary Kay.

Dezembro de 2013 - Isaac foi aprovado no Concurso da Polícia Militar de Minas Gerais e teve novamente que deixar um trabalho novo.

Janeiro de 2014 - Isaac foi morar sozinho com alguns colegas e começa o curso na PMMG